Assim como o ar é vital para os seres humanos, a gestão financeira empresarial é fundamental para manter um negócio ativo e estável no mercado.

O setor financeiro da empresa, mais do que todos os outros, exige cuidado e atenção, já que é este que fornece o suprimento dos outros e das atividades da organização.

A gestão financeira empresarial consiste na tomada de decisões estratégicas que visam aumentar o valor de uma empresa usando técnicas de administração de caixa, otimização da estrutura de capital e a análise da criação de valor, com o auxílio de ferramentas financeiras.

A gestão financeira empresarial, portanto, é de fundamental importância para que a organização possa dar continuidade a suas atividades e seus investimentos.

No entanto, mesmo com tamanha relevância, a gestão financeira empresarial não precisa ser uma atividade desgastante para os gestores.

Se você quer organizar as finanças do seu negócio e manter os lucros sempre em alta, continue a leitura.

Nós vamos te ensinar a fazer a gestão financeira empresarial sem ficar refém de relatórios gigantescos e complicados.

O que é gestão financeira empresarial na prática?

Ok, você já entendeu que a função da gestão financeira empresarial é aumentar o valor do negócio e trazer mais estabilidade. Mas como isso acontece na prática?

A gestão financeira é um conjunto de procedimentos que envolvem:

  • A análise e o controle de todo o movimento financeiro;
  • O planejamento estratégico da empresa;
  • A administração do patrimônio e do capital.

É a gestão financeira empresarial que oferece à gestão de negócios todo o subsídio necessário para fazer seu planejamento de ações.

A partir da gestão financeira, a empresa tem condições de visualizar a situação atual e de fazer um planejamento financeiro mais adequado para o futuro, almejando melhores resultados e investimentos mais assertivos.

7 dicas para fazer uma boa gestão financeira

Agora que você já sabe a relevância de ter uma boa gestão financeira empresarial, é hora de colocar a mão na massa. Confira 7 práticas indispensáveis:

 

  • Tenha um fluxo de caixa saudável

 

O fluxo de caixa nada mais é que o registro do movimento de entrada e saída de recursos financeiros da empresa.

A entrada vem da venda de produtos ou serviços ou da venda de ativos da empresa, como equipamentos, veículos, imóveis e mais. A saída corresponde aos custos e despesas.

Um fluxo de caixa eficiente é aquele que, além de considerar as entradas e saídas do caixa da empresa, precisa estar alinhado com o plano de negócios da empresa e seu planejamento orçamentário. Assim, é possível contemplar uma visão financeira de médio e longo prazo.

O hábito de checar diariamente ou semanalmente o fechamento do caixa é essencial para ter conhecimento do que é recebido e gasto.

A projeção de fluxo de caixa também é importante, pois demonstra todos os pagamentos e recebimentos que são esperados em determinado período. Isso garante segurança para o pagamento das contas da empresa.

 

  • O planejamento estratégico é o seu norte

 

Para uma visão efetiva do direcionamento das finanças da empresa, é crucial que ela tenha uma definição bem clara de suas missões e objetivos estratégicos. Para isso, é preciso formular o planejamento estratégico periodicamente.

Na sua definição, é fundamental refletir sobre a direção estratégica a ser tomada, os projetos e seus planos operacionais, os objetivos de cada estratégia, as responsabilidades e os prazos.

Mais importante ainda é que os dados sejam convertidos em números, tornando-os mais fáceis de serem avaliados, bem como a organização de metas mais tangíveis de faturamento e lucro.

 

  • A gestão orçamentária é uma aliada

 

Sua empresa precisa contar com um plano tático anual, que deverá conter as projeções de receitas, despesas e do balanço patrimonial da empresa.

Esse plano também precisa definir os objetivos financeiros da organização, conter um plano de metas e de remuneração variável com base nessas metas, bem como estudar as estratégias de preço e melhores ações de mercado.

 

  • Faça um bom planejamento financeiro

 

O planejamento financeiro é uma projeção de receitas e despesas que tem por finalidade indicar a situação econômica geral de uma empresa ou projeto.

A partir de um planejamento financeiro, é possível definir quanto de dinheiro está disponível e, assim, direcionar seu uso.

Sem um planejamento financeiro, é praticamente impossível realizar as projeções, analisar e aplicar seus investimentos no momento certo, supor custos e reconhecer as melhores oportunidades para direcionar seu negócio.

 

  • Conheça os seus custos

 

Mapear a estrutura de custos do seu negócio é a melhor atitude que um empreendedor pode ter para prevenir-se de problemas de ordem financeira.

Em geral, uma empresa conta com custos diretos e indiretos e custos fixos e variáveis.

Custos diretos são aqueles que estão diretamente ligados a um produto, como matérias-primas, mão de obra direta, salários dos colaboradores e encargos.

Os custos indiretos são aqueles que não são identificados diretamente nos produtos e serviços, como a mão de obra indireta, gastos com seguros, depreciação de equipamentos e aluguéis.

Os custos fixos são aqueles que não sofrem variações influenciadas pelo volume de produção, como aluguel, telefonia e limpeza. Já os custos variáveis são aqueles ligados diretamente à produção da empresa, que podem sofrer alterações de um período para outro, como matéria-prima.

Conhecer os custos e despesas de sua empresa, saber identificá-los e gerenciá-los é fundamental para evitar que sua companhia acabe cobrando valores que não condizem com a realidade e perdendo, desta forma, competitividade.

 

  • Mantenha um bom capital de giro

 

O capital de giro é o valor que a empresa tem para custear e manter as despesas operacionais rotineiras.

Esse valor é resultado da diferença entre o dinheiro que a empresa tem disponível pelas suas dívidas.

É o capital de giro que assegura que haja condições de comprar insumos para a produção e execução de serviços, além do pagamento de impostos, salários e outras despesas operacionais.

O capital de giro também é aquele que torna possível vender a prazo, pois é o recurso que mantém a empresa ativa enquanto os pagamentos entram aos poucos.

Essa é uma reserva de recursos de rápida renovação, voltada a suprir as necessidades da gestão financeira do negócio ao passar dos dias.

 

  • Utilize a tecnologia ao seu favor

 

Fazer a gestão financeira empresarial não precisa ser um trabalho manual e desgastante, repleta de planilhas, papéis e contas.

Os softwares de gerenciamento financeiro prometem eliminar o trabalho manual e facilitar o controle financeiro do negócio.

Ferramentas de gestão de finanças, como o Keruak Software, possuem inúmeros benefícios como:

  • Controle do fluxo de caixa de qualquer lugar (versão mobile);
  • Armazenamento de dados financeiros em nuvem;
  • Transparência das contas;
  • Gestão de contratos;
  • Emissão de notas fiscais;
  • Relatórios de desempenho financeiro;
  • Integração com a conta bancária.

 

A importância de ter informações financeiras atualizadas

Informações e dados financeiros em dia são essenciais para administrar o dinheiro da sua empresa.

Uma boa gestão financeira é aquela capaz de prever a melhor margem de lucratividade, equilibrando os gastos e avaliando o saldo atual de contas a pagar e a receber.

Com um controle financeiro bem feito, é possível avaliar como seu capital rodou no passado e o que está acontecendo no presente.

Dessa forma, o gestor consegue identificar possíveis falhas no fluxo financeiro e despesas desnecessárias, bem como as oportunidades de investimento mais rentáveis. Tudo isso é fundamental para manter os lucros nas alturas.

Problemas gerados pela má administração financeira

Se a sua empresa não adotar uma gestão financeira eficiente, ela estará sujeita a uma série de problemas – desde os mais simples, como as inadimplências, até as mais drásticas, como a falência.

Entre os maiores problemas gerados por uma gestão financeira falha, estão:

  • Inexistência de registros sobre saldos de caixa, valores de estoque, controle de contas a pagar e receber, volume de despesas e resultado global da empresa;
  • Falta de dados com relação a custos de fontes de financiamento;
  • Falha no gerenciamento dos ciclos financeiros e operacionais da organização;
  • Inexistência de capital de giro e pouca compreensão;
  • Impossibilidade de elaboração do demonstrativo de resultados mensais da organização para conhecer os lucros ou prejuízos;
  • Inadequação dos preços de vendas;
  • Desconhecimento do valor patrimonial da empresa e dos seus estoques;
  • Falta de definição para o pró-labore.

 

Fazer a gestão financeira empresarial não é uma tarefa difícil, mas que exige muita atenção e dedicação – afinal, os recursos financeiros são vitais para a empresa.

Por isso, acompanhe de perto todos os resultados, fique atento ao fluxo de caixa e confie as finanças a quem entende e tem tempo hábil para fazer essa gestão.

Para fazer uma melhor gestão financeira empresarial, é importante estar atento aos ganhos do seu negócio. Quer melhorar ainda mais os seus resultados financeiros? Baixe gratuitamente o e-book Lucratividade e Rentabilidade e entenda esses conceitos na prática.