/ Gestão

A importância do gerenciamento de risco para a pequena empresa

Muitos empreendedores veem o gerenciamento de risco como algo que deve ser feito apenas por empresas maiores que, por sua vez, lidam com grandes números: muitos fornecedores, muitos clientes, muitos produtos e serviços oferecidos, muitos processos e por aí vai.

Mas isso não é verdade. O gerenciamento de risco é essencial para uma boa gestão, seja dentro de uma pequena empresa ou dentro de uma grande rede.

Ainda, podemos afirmar que todas as empresas, independente do seu porte, sempre vão lidar com eventuais problemas que surgem ao longo do seu caminho.

Entre estes problemas podemos citar diversas situações: um fluxo de caixa desorganizado que não gera as informações necessárias, a insatisfação tanto de colaboradores como de clientes, contas a pagar e a receber entre outras problemáticas.

Os problemas, para um empreendedor, costumam ser constantes em alguns momentos de sua jornada.

E, mais uma vez, queremos destacar que esses problemas acometem empresas independente do seu tamanho.

Logo, o gerenciamento de risco se faz necessário em todos os tipos de empresa. Isso porque ele irá buscar atuar em relação a tais dificuldades que surgem para qualquer organização.

Mas afinal, o que é gerenciamento de risco?

O gerenciamento de risco, ou gestãode risco como costuma ser chamado, é, basicamente, um modelo de gestão com foco na identificação, e na previsibilidade, de possíveis eventos.

Ainda, o gerenciamento de risco diz respeito à geração ou preservação do valor que a organização possui.

Dessa forma, realizar o gerenciamento de risco significa planejar, direcionar e usar os recursos da organização de modo a mitigar, ou até mesmo aproveitar, os riscos que envolvem a empresa.

Como recursos disponíveis podemos citar os próprios colaboradores da empresa como o meio para o seu sucesso, visto que sem seus trabalhadores qualquer organização simplesmente não poderia existir.

Além disso, podemos citar os recursos materiais como computadores e, ainda, outras ferramentas e estratégias de gestão.

Por riscos, podemos entender que estes são as incertezas dentro de uma empresa. Essas incertezas podem representar não apenas situações negativas, mas também grandes oportunidades.

As situações de impacto positivo podem compensar as de negativo de forma a fazer com que a organização seja influenciada favoravelmente.

E, nesse sentido, uma gestão com foco em gerenciamento de risco é exatamente o que vai possibilitar aos gestores e administradores uma maneira eficaz de lidar com tais incertezas.

Quando falamos em gerenciamento de risco, é necessário aproveitar ao máximo tudo o que os recursos da organização, sejam eles de pessoal ou materiais, podem oferecer.

A visão sistêmica e estratégica em um gestor é uma habilidade essencial para que o gerenciamento de risco seja feito da melhor maneira.

A habilidade de gerenciamento de risco faz com que a organização fique mais perto de atingir os seus objetivos.

Confira a importância de fazer o gerenciamento de risco

Talvez, você que chegou até aqui na leitura, esteja se perguntando qual é de fato a importância de realizar um gerenciamento de risco.

A primeira coisa que podemos destacar é que as organizações são como organismos vivos e, por esse motivo, o gerenciamento de risco é uma prática tão importante.

Ser um organismo vivo significa estar suscetível a diversos fatores internos e externos que podem gerar alterações a qualquer momento.

É de extrema importância que a organização esteja preparada para eventuais mudanças ou que, pelo menos, disponha dos meios e ferramentas para lidar com situações adversas quando elas surgirem.

Além disso, queremos destacar mais alguns motivos que fazem o gerenciamento de risco ser algo tão importante. São eles:

Otimização do seu capital

Ao falar em otimização do capital, nos referimos à consequência de um bom gerenciamento de risco.

Através desta prática é possível se preparar financeiramente para possíveis situações em que será necessário o desprendimento de uma quantia, em forma de despesa e custos, ou realização de um investimento.

Sem o gerenciamento de risco, pode ser até mesmo impossível se preparar para situações assim.

Nesse sentido, a otimização do capital é não somente essencial para a organização, mas também muito benéfica.

Melhores respostas

Um benefício do gerenciamento de risco é que com essa prática os gestores da empresa terão melhores respostas para lidar com qualquer situação.

Já que o gerenciamento de risco consiste, primordialmente, na identificação e previsão de riscos e oportunidades, será possível saber como lidar quando situações desfavoráveis acontecerem.

Transformando riscos em oportunidades

O gerenciamento de risco possibilita a antecipação de possíveis eventos, certo? Assim, a organização pode não apenas se preparar para enfrentar situações que podem ser negativas, como também podem criar estratégias para que aquilo que deveria ser ruim, seja bom.

Nesse momento, nada melhor do que usar da criatividade na previsão desses eventos para agir de maneira proveitosa.

Além desses motivos, como resultado de um gerenciamento de risco, pode-se contar com a redução de custos que, muitas vezes, acabam sendo desnecessários.

Assim, é possível ter uma gestão financeira muito mais saudável e, com certeza, dessa forma, a empresa terá resultados cada vez melhores.

Aprenda agora mesmo a fazer o seu gerenciamento de risco.

Depois de saber o que é gerenciamento de risco e qual a sua importância, é o momento de saber como implementar essa prática na sua empresa.

Primeiramente, vale ressaltar, que o gerenciamento de risco será diferente para cada empresa. É importante que essa prática seja feita respeitando as particularidades do cenário de cada organização.

Mas existem algumas premissas que são gerais a todo gerenciamento de risco e é sobre essas premissas que queremos falar hoje.

1. Identifique e classifique os riscos

Os riscos podem ser internos ou externos. Essa classificação deve ser feita de acordo com os objetivos e anseios que a empresa possui.

Alguns exemplos de riscos internos:

  • Processos falhos;
  • Falta de tecnologia;
  • Quadro de funcionários com diversos tipos de problemas;
  • Falta de conformidade nas práticas da empresa;
  • Clima organizacional desfavorável.

Alguns exemplos de riscos externos:

  • Ações dos concorrentes;
  • Desastres ambientais;
  • Juros altos;
  • Questões sociais;
  • Questões políticas;
  • Liquidez no mercado.

2. Avalie os riscos

A avaliação do risco está relacionada à determinação do efeito potencial que os riscos possuem.

Por isso, é necessário pensar em qual é a probabilidade de ocorrência de tal risco e qual seria o seu impacto caso de fato ocorresse; se o impacto seria significativo ou pouco importante.

3. Mensure os riscos

A mensuração do risco diz respeito à determinação da sua ocorrência e do impacto calculado que esse risco pode gerar.

Por exemplo, determinado risco interno é raro, pois pode ocorrer duas vezes por ano, e caso ocorresse, poderia gerar uma perda de R$200,00.

Essa mensuração, e classificação, é essencial para o gerenciamento de risco. Por isso, recomendamos que seja feita uma tabela de classificação com todos esses níveis estabelecidos para que cada risco possa ser classificado e mensurado mais facilmente.

4. Defina maneiras de tratar o risco

Agora é o momento de tratar de os riscos. Não seria gerenciamento de risco se nada fosse feito a respeito deles, não é mesmo?

Todo o estudo a respeito dos possíveis riscos e eventos pelos quais uma organização pode passar é feito justamente para que quando eles ocorram, os gestores saibam como lidar.

Por isso, defina como o risco será tratado. É possível fazer esta definição em algumas abordagens.

É possível evitar o risco, reter o risco, reduzi-lo, fazer a transferência do risco (passar a usar a terceirização de serviços, por exemplo) ou explorar o risco.

Para decidir o que será feito, é preciso levar em consideração a realidade da empresa e analisar o que trará maiores vantagens.

E, por último, temos uma dica muito importante: trabalhe a informação e a comunicação dentro do gerenciamento de risco.

A divulgação das atitudes relacionadas a essa prática faz com que a cultura da empresa seja fortalecida rumo ao gerenciamento de risco.

O que faz com que não apenas as lideranças estejam preocupadas com os riscos, mas todos os colaboradores juntamente.

Como falamos no início do nosso artigo de hoje, os problemas vão chegar para as empresas, não importando se ela é pequena ou não.

Por esse motivo, o gerenciamento de risco é essencial para que se tenha uma gestão de resultados, mas ele é parte de um cenário maior. Nós preparamos para você um artigo com 7 passos para aprender a empreender melhor. Não deixe de conferir esse material e se preparar ainda mais para gerir o seu negócio: Como administrar uma pequena empresa.

Natália Lima

Natália Lima

Co-Founder & CFO - Keruak Software. Carreira em Administração de Empresas. MBA em Controladoria e Gestão Estratégica. Para se ter sucesso basta dar o melhor de si e deixar os resultados com Deus.

Read More