Cada empreendedor começou seu negócio de um jeito. Alguns contaram com um empréstimo, outros utilizaram uma reserva da poupança, entre outros meios. Mas um assunto muito comum é o investimento em startup.

Independentemente de como a organização iniciou seus trabalhos, é muito comum startups precisarem de investidores para conseguir se manter nos primeiros anos de vida.

Quer saber como conseguir um investimento para a sua startup? Então continue lendo esse artigo e fique por dentro das melhores dicas para conseguir atrair capital para sua empresa.

De onde pode vir o capital

A startup é uma empresa nova que, através de projetos inovadores e promissores, busca se estabelecer no mercado competitivo.

Uma de suas grandes vantagens é um baixo custo inicial, se compararmos com empresas maiores. O investimento em startup vem para aumentar a segurança financeira elevar as expectativas de crescimento dessas pequenas empresas.

Esse investimento em startup pode vir de diversas fontes. Separamos, aqui, as 5 maneiras de conseguir capital. Confira a seguir:

Investidor-anjo

Essa é uma das formas mais comuns de investimento em startup. O investidor-anjo é uma pessoa física que apoia os projetos em sua fase inicial.

Esses investidores privados possuem alto patrimônio líquido, podendo contribuir com quantias que costumam variar entre R$25.000 e R$500.000.  Esse dinheiro é chamado de capital semente.

Além do investimento em startup na parte financeira, os anjos geralmente ajudam na parte do planejamento estratégico, pois eles têm conhecimento aprofundado do setor.

Apesar de não ser uma exigência obrigatória, é comum que o investidor-anjo acabe trabalhando em algum cargo da diretoria na empresa onde ele investiu.

Os empréstimos bancários são limitados no estágio inicial da montagem da empresa e, por isso, o anjo se torna um dos principais apoios para investimento em startup.

Venture capital

Nessa modalidade de aplicação, os investidores injetam capital na empresa em troca de uma participação societária.

Isso quer dizer que, depois desse investimento em startup, as responsabilidades de controle financeiro e de planejamento passam a ser compartilhadas entre investidores e empreendedores.

Os novos sócios, geralmente, são pessoas que já testaram os produtos da startup e que olham nela uma chance real de crescimento.

Financiamento coletivo

Também chamado de crowdfunding, o financiamento coletivo é uma maneira de movimentar a economia empresarial sem depender de um grupo específico de investidores.

Nessa forma de investimento, o objetivo é reunir várias pessoas que possam contribuir com pequenas quantias. No montante, a empresa pode conseguir grandes capitais.

Antigamente, essa forma de captação era mais difundida para projetos pessoais, sendo chamada até mesmo de “vaquinha virtual”.

Hoje, a modalidade se popularizou e cada vez mais empresas entram nas plataformas, como Catarse e Benfeitoria.

O mais interessante do crowdfunding é que você pode estipular um valor mínimo muito baixo, incentivando várias pessoas a investir na sua empresa.

Você não é obrigado a dar uma contrapartida, mas seria importante oferecer pequenas recompensas para quem investir na sua startup.

É uma forma rápida e simples de captar dinheiro e ainda difundir as ideias da sua empresa, sem despender de muito dinheiro para realizar as campanhas.

Aceleradora de negócios

As aceleradoras nascem justamente para ajudar startups e pequenas empresas a prosperarem no mercado.

Essas aceleradores investem um capital pequeno, que é chamado de “dinheiro de sobrevivência” para que os donos das startups possam se manter.

Em troca, elas pedem um percentual de volta, como se fosse uma sociedade a longo prazo, com resultados aparecendo entre 4 e 12 meses.

É comum que nesse tipo de investimento em startup as empresas empreendedoras levem as startups a eventos de grande porte, para aumentar sua visibilidade.

Editais públicos

Os incentivos fiscais do poder público são uma boa alternativa para alavancar o crescimento das pequenas empresas.

Essa forma de investimento em startup é um pouco mais difícil de conseguir devido ao número reduzido de editais que abrem e à quantidade de empresas que se candidatam à seleção.

Mas fique de olho! A página do Sebrae, por exemplo, disponibiliza uma aba só para divulgar as bolsas e os editais abertos.

Se sua startup for aprovada, sua empresa ganhará a facilitação ou isenção de pagamento de impostos.

Não existe uma receita para saber qual seria o melhor tipo de investimento para a sua startup, pois isso depende do ramo e das ideias do negócio.

Lembre-se também que não é necessário escolher entre um ou outro investimento, você pode — e deve — tentar conseguir todas as formas de apoio.

Como conseguir um investimento em startup

Independentemente de qual ou quais tipos de investimento você escolher tentar para sua startup, é preciso que você tenha alguns truques na manga na hora de falar com os possíveis investidores.

Vamos conhecer os principais?

Estude bastante

Antes de tudo, é preciso estudar bastantes sobre sua empresa e a do empreendedor para quem você vai pedir o investimento.

Pode parecer redundante estudar sobre o próprio negócio, mas muita gente comete o erro de achar que domina todos os pontos da sua empresa, mas “agarra” quando alguém pergunta algo específico.

Estude todos os principais pontos da sua organização. Saiba os pontos fracos e esteja preparado para mostrar que eles podem ser resolvidos.

Saber os detalhes do possível investidor também é essencial para que você consiga alinhar as expectativas da sua empresa às da dele, aumentando suas chances de sucesso.

Faça um mapeamento das possibilidades

Pesquise bastante sobre todas as possibilidades de investimento em startup que falamos no início do texto e busque ver qual mais se encaixa no perfil da empresa.

Certifique-se de que sua ideia é realmente viável. Não adianta ter projetos incríveis se eles não podem ser executados ou se não se encaixam nos interesses dos investidores.

Não se esqueça de se organizar financeiramente para caso o capital realmente entre na sua empresa, tomando cuidado para não desequilibrar o fluxo de caixa.

Capriche no pitch

O pitch é a metodologia de apresentação que você vai exibir para quem se interessar pelo investimento em startup. É preciso atrair a atenção nos primeiros minutos.

Para isso, monte uma apresentação com imagens ou até mesmo com o protótipo do produto. No dia da reunião, leve sua equipe especializada.

A pessoa responsável pela apresentação deve dominar muito bem a comunicação. É preciso que ela tenha uma fala tranquila e passe segurança para os investidores.

É essencial que ela saiba todos os detalhes dos produtos e serviços da empresa que para que os presentes sintam que é uma boa ideia fazer um investir.

As oportunidades que o produto vai criar e os diferenciais de mercado também são importantíssimos nessa hora.

Nem sempre a startup vai conseguir o investimento na hora. Por isso, não desista se não conseguir de primeira.

Mostre um orçamento realista

Na hora de se apresentar para um investidor, não tente manipular os números, é preciso que você mostre um orçamento realista.

Imagina se você consegue o investimento para a sua startup, mas, na hora de acertar os detalhes, o investidor fica sabendo que você falou um capital abaixo do necessário ou um orçamento superfaturado?

Você vai desperdiçar uma chance de arrecadação e ainda vai prejudicar a imagem da empresa.

Busque conexões na rede

Tem muita gente querendo fazer investimento em startup. Mas onde será que estão essas pessoas? Pode ser que elas estejam na sua cidade ou pode ser que estejam em outro país.

Por isso, é muito importante que você conheça as pessoas certas.

Através do LinkedIn, por exemplo, você consegue fazer conexões com empresas e pessoas de todo lugar do mundo. Pode ser que você acha um investidor-anjo ou uma empresa aceleradora que queira fazer um investimento em startup.

Para garantir um investimento para a sua startup é preciso ter bons indicadores financeiros. Por isso, recomendamos a leitura: KPI financeiro: saiba ainda hoje quais você deve monitorar