O PIX promete revolucionar o modo como os pagamentos são feitos no Brasil. Além disso, o PIX para empresas vai beneficiar os empreendedores por reduzir os custos com os pagamentos, podendo ser usado tanto para pagar os colaboradores quanto para pagar os fornecedores.

Por meio das operações realizadas nessa modalidade, as transferências vão acontecer a partir da conta do usuário pagador para a conta do usuário recebedor. Dessa forma, não haverá nenhum intermediário.

Além disso, esse sistema promove mais rapidez, porque não será mais necessário inserir várias informações no momento da transação. Para entender melhor como o PIX para empresas vai mudar o seu negócio, continue a leitura!

O que muda com o PIX para empresas?

Já falamos sobre como vai funcionar o PIX, mas, para relembrar, ele é um novo sistema de pagamentos criado pelo Banco Central.

Por meio dele, tanto pessoas físicas quanto jurídicas serão capazes de realizar transferências e pagamentos instantaneamente em qualquer dia e horário, e para qualquer instituição financeira.

Esse novo método de pagamentos foi anunciado pelo Banco Central em fevereiro de 2020, mas implementado apenas no mês de novembro deste ano.

Para usar o PIX, não é necessário abrir outra conta, pois ele pode ser utilizado pela sua instituição financeira. Com ele, você vai poder realizar os pagamentos por meio de chaves ou informações como CPF, número do celular, e-mail ou CNPJ.

O pagamento também poderá ser feito por QR code e tecnologias nas quais seja permitida a troca de dados por meio da aproximação.

Dessa forma, o PIX não é um sistema exclusivo de uma instituição financeira e também não é um aplicativo, e sim uma nova forma de realizar transações bancárias.

As instituições financeiras que contam com mais de 500 mil clientes devem oferecer esse modo de pagamento e transferência a eles por meio do próprio aplicativo, do internet banking ou do caixa eletrônico.

O PIX é operado pelo Banco Central através do Departamento de Operações Bancárias e de Sistema de Pagamentos (Deban), funcionando por meio do Sistema de Pagamentos Instantâneos (SPI).

Esse sistema vai se ligar às contas PI (Conta Pagamentos Instantâneos, criada justamente por causa do PIX) das instituições financeiras que vão participar do PIX, como fintechs e bancos.

Para as pessoas físicas não haverá custos tanto nos pagamentos quanto nas transferências. Já para as pessoas jurídicas, é possível que seja lançada uma taxa fixa para receber ou realizar pagamentos e transferências.

Essas tarifas vão ser definidas pelas instituições financeiras, mas, ainda assim, é previsão é que sejam menores do que as praticadas atualmente.

O PIX para empresas permite, portanto, que os empreendedores tenham mais uma opção de recebimento de pagamentos e transferências bancárias, tornando-se uma transação tão rápida quanto o pagamento em dinheiro vivo.

Esse novo sistema de pagamento também vai proporcionar mais segurança ao empreendedor, pois ele não precisará mais levar grande quantidade de dinheiro vivo para o banco a fim de realizar o depósito.

Quais são as vantagens para as empresas?

Você sabia que o PIX para empresas promete trazer várias vantagens para os empreendedores? A seguir, veja algumas delas.

Mais rapidez

Como adiantamos, por meio do PIX, as operações vão ocorrer de forma instantânea. De acordo com o Banco Central, os pagamentos e as transferências vão ser liquidadas no prazo de 10 segundos.

Dessa forma, o empreendedor vai poder passar a contar com maior agilidade. No caso dos e-commercers, por exemplo, não será preciso esperar 3 dias úteis para o boleto de pagamento do cliente compensar.

Pagamento direto na conta

Sem dúvidas, uma das maiores vantagens do PIX é que os pagamentos vão começar a cair diretamente na conta do usuário recebedor, sem a necessidade de intermediários.

No caso de máquinas de cartão de crédito ou débito, por exemplo, a operação atravessa um processo mais burocrático, o que resulta em maior demora para receber os valores pagos. Além de aumentar o tempo, isso aumenta também os custos para a empresa.

Disponibilidade 24 horas por dia

O DOC (Documento de Ordem de Crédito) ou o TED (Transferência Eletrônica Disponível),, conforme a hora realizada da transferência, pode levar até um dia útil para cair na sua conta.

No caso do DOC, o dinheiro cai na conta do recebedor apenas no dia seguinte. Se a transação for realizada depois das 22h, é possível que o tempo aumente para mais um dia útil. Já em relação ao TED, o pagamento chega no destino até às 17h do mesmo dia.

Outro incômodo é precisar esperar a compensação da transferência do boleto apenas em dia útil e horário comercial, caso tenha a operação tenha sido feita no final de semana ou feriado, por exemplo.

Com o PIX, isso não será mais necessário, pois ele oferece disponibilidade em 24 horas. Ou seja, as transações vão ocorrer de forma imediata.

Ausência de restrição de valores para transferência

No DOC, o limite de valor para transferir o dinheiro para outra conta é de R$4.999,99. Já no TED, esse limite não existe, então você pode transferir valores menores ou maiores que esses.

Com o PIX, você também pode esquecer essa restrição de valor para realizar a transferência, o que é uma ótima vantagem.

Custos menores

É comum que os empreendedores precisem pagar altas taxas nas transações, principalmente se forem realizadas nas máquinas de cartão.

Como não haverá intermediários nas operações pelo PIX, a expectativa é que os custos sejam bem reduzidos. Atualmente, o custo para as instituições financeiras será de R$0,01 a cada dez transações. Já o TED custa R$0,07.

Adiantamos que as taxas vão depender de cada banco, mas a Nubank, por exemplo, já divulgou que não cobrará nem para contas PJ. Portanto, essa é uma das maiores vantagens do PIX para empresas.

Maior segurança

O novo sistema utiliza assinatura digital, criptografia e autenticação mútua para oferecer ainda mais segurança nas transações. Sendo assim, é bem mais difícil que ocorram fraudes.

Em comparação, lembre-se que um cartão pode ser clonado, assim como um boleto pode ser alterado. Portanto, o PIX permite que as transações aconteçam de forma mais segura.

Praticidade no dia a dia

Outro benefício do PIX para empresas é a facilidade que ele vai oferecer para realizar pagamentos e recebimentos. Desse modo, o empreendedor não vai apenas receber de modo mais ágil como também poderá usar esse sistema para fazer diferentes pagamentos.

Por meio do PIX, será possível fazer de forma bem prática o pagamento do salário dos colaboradores, quitar dívidas com os fornecedores e ficar em dia com os impostos.

Teste agora Keruak - NF e Cobranças

Vantagem competitiva

Não podemos deixar de citar que o PIX para empresas também vai trazer maior vantagem competitiva. Afinal, é um meio de pagamento bem mais rápido e prático.

No caso do Microempreendedor Individual (MEI) ou do pequeno empreendedor, esse novo sistema veio para melhorar o atendimento ao cliente e, assim, conquistá-lo. Além disso, ajudará a tornar as vendas mais ágeis.

Já para quem trabalha com e-commerce ou, até mesmo, delivery, os prazos de entregas dos produtos pode ser reduzido, pois o pagamento é feito de forma instantânea e, como você sabe, a entrega só acontece após a confirmação do pagamento.

De modo geral, a experiência do cliente vai ser aprimorada, pois ele pode lidar com um modo de pagamento sem burocracia e totalmente digital.

Quais são as diferenças entre o PIX para pessoa física e o PIX para empresas?

Existem diferenças significantes em relação ao PIX para pessoa física e o PIX para pessoa jurídica e é importante estar atento a todas elas. A seguir, entenda melhor o assunto.

Custo

A primeira grande diferença entre os dois tipos de conta é o custo. Isso porque, para a pessoa física, o PIX deve ser gratuito. Ou seja, as instituições financeiras não podem fazer cobranças quanto ao recebimento ou emissão de transferências e pagamentos por esse novo sistema.

Já no PIX para empresas, as instituições podem cobrar um valor específico a cada transação, mas isso vai variar de acordo com cada uma. No entanto, existe a possibilidade de não haver cobrança alguma.

No caso, do Nubank, como já adiantamos, o PIX será gratuito para todas as contas, assim como o TED e o DOC. Pode ser que outras instituições sigam o mesmo caminho, então é importante conferir as regras dos bancos onde você tem conta.

Quantidade de chaves

Existe um limite no cadastro de chaves por conta que vai variar conforme o tipo da conta, ou seja, se é física ou jurídica.

Em relação à jurídica, você pode fazer o registro de até 20 chaves por conta. Já para a pessoa física, esse número se reduz para 5 chaves por contas.

É importante destacar que essas regras se aplicam para qualquer tipo de chave, ok? Seja número de celular, e-mail, chave aleatória e número do CPF ou CNPJ.

CPF e CNPJ

Outra diferença importante se refere aos dados que podem ser registrados nas chaves desse novo sistema. Para pessoas físicas, é possível adicionar o número do telefone, número aleatório, e-mail pessoal ou o CPF.

No caso de pessoas jurídicas, as empresas não podem registrar o CPF de sócios como chaves para o PIX. Desse modo, só vale o CNPJ pelo qual a empresa foi registrada.

Além disso, quem criou a conta física, mas tem alguma empresa ou é sócio dela, também não pode fazer o cadastro com o CNPJ da organização.

Em relação ao CPF e CNPJ, existe ainda outra diferença. Quando um usuário fizer um pagamento ou uma transferência para a sua empresa, ao confirmar a transação, o seu CNPJ vai aparecer para o usuário.

Já se a pessoa física receber alguma transferência, o CPF dela não vai aparecer para quem está realizando a transação. Nesse caso, apenas alguns dígitos do CPF que vão aparecer apenas para confirmar que é esse o usuário para o qual você deseja fazer a transferência.

Dessa forma, a privacidade do recebedor é garantida, mas, no caso da pessoa jurídica, isso não acontece.

Como cadastrar as chaves?

Ficou interessado em usar o PIX para empresas? Então, o próximo passo é fazer o cadastramento das chaves.

Primeiro, você deve ter uma conta corrente, poupança ou pagamento em alguma instituição financeira. É por meio dos canais do próprio banco, fintech ou plataforma de pagamento que é feito o registro das chaves.

Os cadastros começaram no dia 5 de outubro e ainda estão sendo realizados. Para fazer o seu, é importante informar qual será a chave PIX utilizada.

Basicamente, a chave é o código que vai identificar a sua conta no sistema. Nesse caso, pode ser o seu CNPJ, o número de telefone, o e-mail ou uma chave numérica aleatória.

A chave aleatória não tem nenhuma informação pessoal e, como o próprio nome diz, é um código gerado aleatoriamente, sendo formado por símbolos, números e letras.

Por meio dessa chave, o cliente vai poder fazer o pagamento do serviço ou produto comprado, assim como você poderá pagar o seu fornecedor por meio do CNPJ dele, por exemplo.

Ao todo, uma pessoa jurídica vai poder ter até 20 chaves por conta, lembrando que não será permitido repetir a mesma chave para contas diferentes.

Sendo assim, você pode escolher o CNPJ como chave em uma determinada conta, mas não poderá selecioná-lo caso queira usar o mesmo número como chave em outra conta. Isso porque a chave é como um código que vai representar o endereço de entrega das transações.

No entanto, é importante lembrar que não é obrigatório cadastrar uma chave para receber ou realizar transações no PIX. Ou seja, funciona como no TED ou no DOC. Ainda assim, fazer isso é altamente recomendado, já que torna o processo mais rápido e prático, além de também trazer maior segurança para quem faz a transação e para quem a recebe.

Como você pôde perceber, o PIX é bastante vantajoso e vai mudar a forma como os pagamentos e as transferências são feitas no Brasil. Então, vale muito a pena já fazer o seu cadastro e, assim, começar a utilizá-lo.

Gostou de saber mais sobre o PIX para empresas? Recomendamos que leia também o nosso artigo sobre automação financeira!

KRK - Vendas - DRE