Se você acompanha o noticiário ou se interessa por economia, provavelmente tem escutado bastante sobre as mudanças recentes que foram feitas na Selic. Mas o que é taxa Selic?

Existe uma diferença entre “o” Selic e “a” Selic. Quando alguém fala sobre “o” Selic, ela está se referindo ao Sistema Especial de Liquidação e Custódia, que é a organização que acompanha as operações financeiras públicas.

Ao falar sobre “a” Selic, que vai ser o assunto do nosso texto de hoje, estamos falando sobre a taxa básica de juros que é tratada por esse sistema.

Agora que você já entendeu a diferença conceitual, vamos te mostrar o que é taxa selic e como ela pode afetar os investimentos de uma empresa.

O que é taxa Selic?

A Selic é uma das mais importantes taxas de juros do Brasil. De tempos em tempos seu valor é reajustado após reuniões com o Copom, o Comitê de Política Monetária.

Apesar de, muitas vezes, as taxas de juros serem competitivas, elas são diferentes, dependendo do tipo de empréstimos.

O valor da Selic, que é considerada uma taxa fixa, não muda até que seja feito reajuste. Geralmente, o Copom se reúne a cada 45 dias para tomar essa decisão.

Em fevereiro de 2020, a tarifa foi definida em 4,25% ao ano, atingindo o menor patamar da história. Os números mensais e anuais podem ser encontrados no site da Receita Federal.

O valor anterior era de 4,50%, colocando o país em 2º lugar com o maior corte de juros em um ano. Mas o que isso quer dizer?

Em poucas palavras, a taxa Selic é a média dos juros que o governo do Brasil paga por empréstimos tomados dos bancos.

Dessa forma, se a Selic aumenta, os bancos passam a dar preferência aos empréstimos para o governo, já que ele paga mais.

Quando a Selic diminui, os bancos precisam emprestar mais dinheiro para os consumidores para conseguir um lucro maior.

Ou seja, quanto menor a Selic, mais vantagens para o consumidor que pede um empréstimo.

Assim, o governo usa esse índice para tentar controlar a inflação e a entrada de investimentos estrangeiros. Até as empresas de fora devem saber o que é taxa selic para estudar a melhor hora de investir no capital brasileiro.

Como essa tarifa afeta os investimentos?

Depois de entender o que é taxa Selic, você precisa saber como ela influência nos seus investimentos.

Uma das interferências da Selic é na importação de produtos. Como adiantamos anteriormente, a tarifa é utilizada para administrar a entrada de produtos e empresas estrangeiras.

Com alta taxa de juros, os investimentos vindos de fora do país tendem a crescer. Quanto maior for a entrada de capital estrangeiro, principalmente dólar, menor vai ser a cotação da moeda.

Agora que você já entendeu o que é a taxa Selic vamos ver como seu aumento ou sua queda podem afetar a sua empresa.

Quando a taxa Selic sobe

Se o valor da taxa Selic sobe, quem estiver endividado vai passar a ter que pagar mais juros aos credores, diminuindo seu poder de compra.

Esse efeito negativo nos hábitos de gasto atinge as finanças corporativas, pois ao pagar mais para quitar as prestações do empréstimo, vai sobrar menos para o consumidor investir em produtos.

Uma tarifa alta implica em menos dinheiro circulando e, consequentemente, há uma menor procura por serviços. Com uma demanda reduzida, a tendência é que os preços caiam.

Caso os investimentos da sua empresa estejam voltados para serviços ou produtos de luxo, a alta taxa Selic pode ser ainda mais impactante, já que os itens mais caros são os primeiros a serem cortados em caso de contenção de despesas.

Se você entendeu o conceito base da taxa Selic, deve estar lembrando dos empréstimos do banco em relação às empresas.

Quase todas as empresas de pequeno porte têm empréstimos pendentes. Quando o valor tarifário aumenta, o valor a ser pago também sofre um acréscimo.

Isso dificulta a conciliação bancária, já que, na maioria dos casos, as dívidas foram programadas a serem quitadas a longo prazo. Qualquer aumento significa uma extensão desse prazo.

Para quem pensa em fazer novos investimentos, também é necessário ficar atento a esse panorama.

Mesmo que sua empresa tenha uma boa segurança financeira, às vezes é necessário recorrer a empréstimos para comprar um novo maquinário ou abrir uma nova loja.

Com um aumento da taxa básica de juros, fica mais difícil contratar novos empréstimos de curto prazo, dificultando os investimentos mais urgentes.

Se as empresas estagnarem seu crescimento, o desemprego pode aumentar e a economia tende a se retrair, favorecendo a entrada de investimento estrangeiro.

Apesar das desvantagens, a alta na taxa Selic pode beneficiar alguns investidores. Como a tarifa influência os juros que os bancos pagam, a Selic pode aumentar os rendimentos de aplicações de renda fixa, como as poupanças.

Quando a taxa Selic diminui

A baixa na taxa de juros pode estimular os gastos dos consumidores. Com menos juros a pagar, quem compra os produtos consegue levar maiores quantidades.

Esse aumento do consumo ajuda para que o dinheiro volte a circular na economia. Isso retorna para as empresas, que são estimuladas a expandir seus negócios.

É preciso tomar cuidado porque, com a queda da taxa Selic, a inflação tende a aumentar. No caso de uma crise financeira, isso poderia não causar tantos reflexos no poder de compra.

A tarifa menor também traz benefícios ao incentivar os empresários a fazerem novos empréstimos para investir no crescimento da empresa.

Como essa taxa de juros é fixa, a dívida pode caber no controle financeiro de forma que ela não seja tão onerosa a longo prazo.

Dependendo das necessidades da gestão financeira, é possível, ainda, renegociar os empréstimos que estão em aberto.

Da mesma forma que o aumento do valor tarifário eleva os rendimentos de renda fixos, a queda na taxa Selic gera uma diminuição dos rendimentos da poupança.

Nesse caso, é uma ótima oportunidade para os investidores lucrarem com ganhos na renda variável.

Você acabou de aprender o que é taxa Selic e tirou algumas dúvidas, certo? Agora pense na sua equipe, ela também não deveria entender esses termos? Entender o básica da gestão financeira é importante independente do setor em que o profissional trabalhe. Leia: Educação financeira: por que sua empresa deve investir nisso?