Manter a saúde financeira precisa ser prioridade da empresa, mas, algumas vezes, é possível que você peça alguns empréstimos e termine se enrolando para pagá-los. Nesse caso, é necessário saber qual é o índice de endividamento.

Basicamente, esse é um indicador financeiro que serve para analisar o endividamento da sua organização. Então, ele serve para ver se o seu negócio está em maus lençóis ou é apenas uma fase.

Deseja saber mais sobre esse indicador e como realizar o seu cálculo? Então, continue a leitura!

O que é o índice de endividamento?

Também conhecido como IE, o índice de endividamento mostra a evolução das dívidas de uma empresa ao longo dos anos.

Além disso, o indicador também serve para verificar o quanto de recursos financeiros de terceiros a organização necessita para se manter de pé.

Outro item que o índice de endividamento mostra é se os recursos estão sendo utilizados para a realização de investimentos ou cobertura de despesas.

Para fazer o cálculo, entenda que existem dois tipos de indicadores, com diferentes finalidades, que são o índice de endividamento geral e a composição do endividamento. Saiba mais sobre eles a seguir.

Como fazer o cálculo do índice de endividamento geral (EG)?

O EG é bastante utilizado pelas empresas com o objetivo de observar a proporção dos ativos que a organização possui que atualmente estão sendo bancados por terceiros. Logo, é um ótimo indicador para verificar a saúde financeira do seu negócio.

Antes de explicarmos como é feito o cálculo, tenha em mente que os ativos são os direitos e os passivos são as obrigações, certo?

Então, para realizar a conta, você precisa somar o total de capital de terceiros, que incluem os passivos de curto e longo prazo, e dividi-los pelo total de ativos que a empresa tem. Ao final, multiplica-se o valor por 100 e temos o resultado. Ou seja, a fórmula é a seguinte:

EG =Capital de terceiros  ativos 100

Agora, vamos para um exemplo prático. Suponhamos que a sua empresa tenha os seguintes dados:

  • ativos totais: R$ 700.000;
  • passivos de curto prazo: R$ 50.000;
  • passivos de longo prazo: R$ 200.000.

Então, para realizarmos o cálculo, temos: EG = 250.000700.000 100 =35,7%

Bom, e o que esse valor significa? Quanto menor o percentual, menor é a dependência dos recursos de terceiros. Nesse caso, a empresa não está tão dependente, mas pode melhorar.

No entanto, entenda que o EG precisa ser avaliado dentro do contexto. Por exemplo, se os seus concorrentes também tiverem um número semelhante, isso obviamente significa que você não está em desvantagem.

Além disso, é necessário avaliar esse dado em relação à capacidade de pagamento da empresa, observando o cronograma de amortização da dívida.

Saiba também que você precisa levar em conta o objetivo de endividamento. Nesse sentido, analise qual foi a necessidade da obtenção da dívida. Foi para pagamento de dividendos ou financiamento de projetos rentáveis:

É preciso tomar cuidado caso a sua empresa se enquadre na primeira opção, pois isso pode indicar que a saúde financeira está comprometida.

Como fazer o cálculo da composição de endividamento (CE)?

A CE tem como finalidade mostrar qual é a política de captação de recursos de terceiros para a organização. Ou seja, verifica se o endividamento é de curto ou longo prazo.

Esse cálculo também é fácil de ser feito, pois basta dividir os passivos de curto prazo com o total do capital de terceiros, logo, a soma dos passivos de longo e curto prazo. Por fim, o resultado é multiplicado por 100. Logo, a fórmula é a seguinte:

CE = Passivos de curto prazo  capital de terceiros 100

Para mostrarmos um exemplo prático, já que não temos as informações da sua empresa, usaremos os dados do tópico anterior:

  • passivos de curto prazo: R$ 50.000;
  • passivos de longo prazo: R$ 200.000.

Então, temos: CE = 50.000  250.000 100 =20%

Com esse indicador em mãos, concluímos que a composição de endividamento da sua empresa é 20% de curto prazo e 80% de longo prazo. Bem simples, certo?

Esse é um valor positivo para a organização, pois indica que ela tem mais tempo para se organizar novamente e realizar os pagamentos da maior parte das dívidas.

Como identificar a situação financeira da empresa e evitar dívidas?

Existem muitos fatores que precisam ser analisados para identificar a situação financeira da sua empresa. Entenda que esses cálculos são importantes, mas não são suficientes para revelar se a organização está em níveis saudáveis.

Para isso, é necessário fazer acompanhamentos frequentes, como mensais, trimestrais, semestrais e anuais, que revelam a evolução da empresa nesse ponto.

Além disso, não fique tão assustado caso os números sejam maiores do que você esperava, pois, como dissemos, é importante compará-los com os concorrentes.

Certamente eles não deixarão esses dados expostos, mas você pode desvendar o índice de endividamento médio do setor onde está inserido com informações dos sindicatos, conselhos e demais instituições relacionadas à atividade.

Desse modo, um aparentemente mau índice não significa que a sua empresa está à beira da falência, pois o contexto também deve ser analisado.

O caso contrário também acontece, ou seja, ter indicadores positivos sem averiguar o todo também não significa algo estritamente benéfico para a saúde financeira da sua organização.

De qualquer forma, é fundamental evitar o acúmulo de dívidas ao unir três pontos: planejamento estratégico, orçamentário e financeiro.

Assim, é possível elaborar planos eficazes e administrar melhor o dinheiro.

Além disso, não se esqueça que a presença de um gestor é peça necessária no acompanhamento e controle desses planejamentos.

Com isso, torna-se possível identificar os gastos supérfluos e despesas que podem ser reduzidas a fim de melhorar a situação financeira, bem como se organizar novamente para realizar os investimentos certeiros.

Tenha em mente também que fazer o controle orçamentário é essencial para que a sua empresa não caia no vermelho. Nesse sentido, deve-se analisar o que foi previsto em relação ao que está sendo feito.

Isso permite que setores que estejam gastando mais sejam identificados, assim como possibilitar que seja registrado um baixo faturamento em relação ao que estava sendo esperado.

Desse modo, os planejamentos são aliados fundamentais no desafogamento das dívidas e melhor controle financeiro da empresa.

Por isso, os dois tipos de índice de endividamento podem (e devem) ser utilizados, mas unidos a outros fatores para uma análise mais completa da situação. Outro ponto que pode ajudar a sua empresa a diminuir as dívidas é começar a vender mais. Quer saber como fazer isso? Então leia este artigo!