/ Finanças

7 dicas para ter um fluxo de caixa saudável na sua empresa

O fluxo de caixa é um verdadeiro pulmão das empresas. Esse esquema nada mais é que o movimento de entrada e saída de recursos financeiros da empresa.

A entrada vem da venda de produtos ou serviços ou da venda de ativos da empresa, como equipamentos, veículos, imóveis e mais. A saída corresponde aos custos e despesas.

Quando a entrada é maior do que a saída, há o saldo positivo, que chamamos de situação superavitária. No entanto, quando a saída está mais alta, temos a situação deficitária.

Um fluxo de caixa eficiente é aquele que, além de considerar as entradas e saídas do caixa da empresa – sejam elas para despesas cotidianas, investimentos, aquisição de ativos e estoques, contratação – precisa estar alinhado com o plano de negócios da empresa e seu planejamento orçamentário. Assim, é possível contemplar uma visão financeira de médio e longo prazo.

É o fluxo de caixa que possibilita que os gestores tenham melhor noção da saúde financeira da empresa, servindo de indicação para tomada de decisões e medidas que podem interferir positivamente no equilíbrio do caixa da empresa.

Diante de tamanha importância dessa ferramenta, separamos 7 dicas para ter um fluxo de caixa saudável na sua empresa. Confira!

Registre e classifique cada movimentação

Seja lá qual for o valor gasto ou recebido na empresa, é importante registrar cada um deles – afinal, essa é a principal função do fluxo de caixa.

Se uma entrada não for detalhada, por exemplo, certamente haverá incompatibilidade nas contas e certa desordem financeira.

Separe cada um dos gastos ou recebimentos em categorias, para que seja mais fácil identificar os principais tipos de gastos e receitas, bem como sua origem.

Não classifique apenas como “gastos” e “ganhos”, pois assim você não saberá como usou os recursos e nem a origem dos rendimentos.

Além de classificar os itens no fluxo de caixa, é importante fazer um acompanhamento diário da movimentação do fluxo de caixa para evitar surpresas.

Assim é possível que os gestores planejem melhor os gastos e, como consequência disso, sejam capazes de antecipar soluções para situações complicadas e tomar atitudes antes mesmo que elas aconteçam.

Escolha um período para controlar o fluxo de caixa

O seu fluxo de caixa pode ter a periodicidade variável de acordo o tipo do seu negócio – pode ser diário, semanal, quinzenal ou mensal.

Não escolha um período muito longo, para não perder o controle do seu fluxo de caixa. Tão importante quanto definir um período, é saber ter controle dos dados para que nada se perca até a próxima atualização.

Faça um inventário

Para facilitar o registro das entradas e saídas, faça um levantamento de todas as despesas e receitas – atuais e futuras – bem como planos de investimento e expansão.

É fundamental que todos esses dados sejam alinhados com o Plano de Negócios da empresa. Vale a pena organizá-los por sua natureza, como operacional, não operacional e investimentos.

Planeje e gerencie o estoque

O maior risco de deter um estoque volumoso é sua transformação em capital imobilizado, ou seja, um capital que não gera renda e nem rende juros.

Portanto, investir uma elevada quantia de dinheiro no estoque pode impossibilitar que sua empresa aproveite oportunidades mais lucrativas.

Portanto, questione-se sobre qual é o valor do seu estoque hoje e qual é o limite máximo e mínimo do seu estoque. Isso irá ajudar a compreender o nível de controle que tem sobre ele e quanto é necessário adquirir para não tomar prejuízos.

Mas afinal, o que isso tem a ver diretamente com o fluxo de caixa? O controle de estoques indica quanto e quando comprar recursos para suprir sua produção.

Ao ter esse controle, é possível saber exatamente como acrescentar investimentos e gastos no seu fluxo de caixa.

Fique de olho no capital de giro

É muito importante verificar se sua empresa está obtendo o retorno desejado com a venda dos produtos ou serviços.

Se o capital de giro está baixo, talvez seja a hora de renegociar contratos com os clientes para garantir maior retorno financeiro.

Capital de giro baixo significa que você precisa dar mais atenção para o fluxo de caixa e fazer avaliações periódicas para garantir que o negócio está andando como o planejado.

Pense também a longo prazo

Como você já deve ter notado, o fluxo de caixa não é uma ferramenta que existe só para controlar a rotina das finanças, mas também para fazer uma projeção média do caixa para todo o ano.

Nunca deixe de criar uma perspectiva a longo prazo no seu fluxo de caixa. Assim, você pode avaliar diferentes cenários financeiros e já se preparar para as mais diferentes adversidades.

Estipule seus gastos e ganhos também no fluxo mensal. No fim do mês, busque comparar com o anterior para identificar as despesas inesperadas e pensar como evitá-las no futuro.

Determine padrões de crédito para os clientes

Vendas nem sempre significam entradas, já que é comum que muitas empresas ofereçam a opção de pagamento a prazo.

Portanto, é importante definir uma margem de entradas para garantir a saúde financeira. Isso possibilitará a determinação dos padrões de crédito para os clientes.

Antes de definir padrões de crédito para os seus clientes, saiba que há duas situações possíveis e que precisam ser avaliadas de acordo com a realidade do seu negócio.

A primeira é de exigências baixas. Isso quer dizer que você tem muitos consumidores qualificados para comprar e as vendas sobem rapidamente. Mas, para isso, é preciso ter um estoque alto de produtos para atender ao público.

A outra é quando as exigências são altas. O número de pessoas com crédito qualificado para comprar seus produtos diminui e, consequentemente, as vendas também.

Avalie qual padrão de crédito sua empresa pode oferecer sem que haja redução drástica das entradas.

Vale lembrar que você pode elaborar o fluxo de caixa da sua empresa em uma planilha. No entanto, para garantir mais segurança e assertividade dos dados, vale a pena em investir em um sistema específico e automatizado para essa finalidade. Considere adotar um software de gestão financeira que tenha essa funcionalidade.

Mas lembre-se que, usando planilhas ou sistemas, o grande segredo para manter a saúde do caixa da sua empresa é a disciplina para registrar todas as movimentações financeiras.

Agora que você anotou as melhores dicas para ter um fluxo de caixa mais saudável, continue tomando medidas para deixar a saúde financeira do seu negócio sempre em dia. Aprenda a fazer um diagnóstico financeiro com o e-book gratuito.

Natália Lima

Natália Lima

Co-Founder & CFO - Keruak Software. Carreira em Administração de Empresas. MBA em Controladoria e Gestão Estratégica. Para se ter sucesso basta dar o melhor de si e deixar os resultados com Deus.

Read More